Miguel Torga (Ode á Poesía)

Posted on by Mezilrajas

8 Replies to “ Miguel Torga (Ode á Poesía) ”

  1. Miguel Torga (), pseudônimo de Adolfo Correia da Rocha, nasceu em São Martinho de Anta, Vila Real, Portugal, no dia 12 de agosto de De família humilde, com 10 anos foi para a cidade do Porto trabalhar na casa de familiares. Foi porteiro, moço de recados, regava o jardim, limpava a escadaria etc. Em foi mandado para o.
  2. Torga, é en primeiro lugar o poeta de Trás-os-Montes, abranguendo a súa obra o conto, a novela e o teatro. Mais son os seus Diarios onde critica, polemiza, retrata paisaxes que o emocionan, e reflexiona sobre a condición humana.
  3. Miguel Torga nasceu em em S.w Martinho de Anta, concelho de Sabrosa Trás os Montes, aldeia onde cresceu e que o havia de marcar para toda a vida. De nome Adolfo Correia da Rocha, adoptou o pseudónimo de Miguel Torga(torga é o nome dado à urze campestre que sobrevive nas fragas das montanhas, com raízes muito duras infiltradas por.
  4. no llevo poesía en mí. digna de tí. O drama de escrever. Aqui estou eu, Envolto numa manta de palavras vazias, Á espera que as palavras venham para me agasalhar. Tento de tudo para que elas venham e me aqueçam, Mas nada parece ajudar, Pois nem consigo pensar. Naquilo que posso criar. As palavras começam a circular, E estou a imaginar.
  5. MIGUEL TORGA é o pseudónimo adoptado por Adolfo Correia da Rocha para assinar a sua obra literária. O Nome Miguel é uma espécie de homenagem aos espanhois: Miguel Cervantes, Miguel de Molinos e Miguel de Unamuno. O nome Torga, por sua vez, é uma homenagem à planta urze, também conhecida como "e;torga"e;, que existia em grande número na terra nat.
  6. Avivo no teu rosto o rosto que me deste, E torno mais real o rosto que te dou. Mostro aos olhos que não te desfigura Quem te desfigurou. Criatura da tua.
  7. Grupo 10_ Miguel Torga reactualiza muitos mitos clássicos. Rescreve os seguintes mitos presentes na obra de Torga: Prometeu, Ícaro, Tântalo, Narciso, Orfeu, Anteu e Sísifo. Nota: Para leres os poemas assinalados clica nesta página.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *